10
Ago 08

Salams. Eu não tenho a noção data do vídeo abaixo, mas creio que não seja muito antigo, todavia o que interessa é a mensagem contida nele.

Quem não conhece Muhammad Ali? Quem não conhece o que ele representou? Quem é que não sabe as razões pelas quais converteu-se ao islão? Acho que todos sabem disto, todos sabem a história do "herói" que foi Muhammad Ali.

 

Neste vídeo, Will Smith e Muhammad Ali vêm condenar os atentados de 11 de Setembro, mas ao mesmo tempo mostrar que o Islão é uma religião de Paz e que os terroristas de 11 de Setembro nunca representaram o Islão, muito pelo contrário.

 

 


13
Jul 08

Salams irmãos. Peço desculpa por não ter estado a escrever posts nos últimos dias, mas a disponibilidade tem sido pouca por razões profissionais. Não quero, todavia, que o blog fique assim à deriva, muito pelo contrário, vamos continuar a crescer e a ter mais e mais projectos em nome do Islão.

 

Como o título indica, hoje pretendo falar-vos sobre a Sunnah. Mas como sei que existem ainda muitos não-muçulmanos a visitarem o blog, pergunto-vos: O que é a Sunnah? É simplesmente seguir o caminho e as pegadas do Profeta, fazer o que o Profeta fazia. A Sunnah corresponde a todas as acções que o profeta Muhammad Salalaho Aleihe Wasalam realizou durante os 23 anos em que trasmitiu ao seu povo a mensagem de Allah Subhana wa Taala.

 

Segundo a perspectiva menos polémica e a qual eu mais concordo, seguindo a corrente islâmica Sunita e o Imam Abu Hanifa (RA) a Sunnah é implicitamente tudo o que o profeta fez, disse, aprovou ou negou, tudo aquilo que foi passado ao seu Umah sob a forma de Hadith, aquilo que não está directamente escrito no Alcorão.

 

Isto é, a Sunnah não é obrigatória, a nós Muçulmanos compete seguir o que está escrito no Alcorão, mas também deve-se seguir tudo o que está escrito nos Hadices, tudo o que não contrarie o Alcorão, ou seja, os Hadices "fortes".

 

Por exemplo, nos namazes que fazemos temos Sunnahs, como no namaz de Asr, em que só somos obrigados a fazer os 4 rakats de Faraz, que são obrigatórios, já os 4 rakats de Sunnah que temos antes desses Faraz não são obrigatórios, mas era algo que o Profeta costumava realizar, segundo os vários Hadices.

 

Assim sendo, muitas das acções de Muhammad Salalaho Aleihe Wasalam eram registadas e seguidas pelos seus companheiros, tornando-se em Hadices (as registadas), outras eram trasmitidas pelos companheiros aos filhos destes e assim sucessivamente, havendo depois filhoes dos companheiros que acabavam por escrever os ditos dos seus pais, tornando-os em Hadices (extratos de...)

 

Uma questão que se coloca é se o Sunnah está na verdade, e por assim dizer, vivo ou se por outro lado começa a desaparecer.

 

O nosso irmão do blog At-Tazkirah escreveu um post sobre esse assunto.

 

 

Fazendo um discurso sobre o amor do nosso Rassul Salalaho Aleihe wa Salam e a importância de praticar o Sunnah, Faqihul Ummah Hadhrat Hajji Farooqi Sahab (rahimullah ta'ala) fala sobre a frase "reviver o Sunnah"

 

 

"É comumente discutido ( "o reviver a Sunnah"), mas de facto a pessoa que vive o Islam praticando a Sunnah, ele próprio torna-se vivo pela Sunnah, porque a Sunnah está viva e sempre estará. A sunnah não está morta, nós deixámos a sunnah devido aos nossos pecados e não deixámos conexão alguma entre a Sunnah e nós, nós enfraquecemos o Ta'aluq bi'Sunnah. É por isso que está frase torna-se conflituosa, mas na realidade nós é que estámos mortos e se praticarmos a religião pela Sunnah, então pelas bençãos dessa prática nós voltaremos a viver".

 

Salams

Islamnet.eu

 


29
Jun 08

صديق الانسان من يسعى لعمارة آخرته وإن كان

فيه ورع لدنياه
-عدو الإنسان من يسعى لخسيرة آخرته وإن كان

فيه نفع لدنياه

 

"O amigo dos humanos é aquele que constrói e esforça-se para construir o seu Akhirah mesmo que isso implique e prejudique o seu Duniya;

O inimigo dos humanos é aquele destroi o seu AKhirah se isso beneficiar o seu Dunya"

 

- Hadhrat Mufti Abdur Rahim Lajpuri (rahimullah ta’ala)

Fonte: At-Tazkirah

 

Salams. É com esta passagem que vos quero lembrar a importância do Dunya. e do Akhirah Mas, para quem não sabe o que siginifca Dunya e Akhirah?

 

O Dunya é a vida actual, a vida na terra e no mundo, a vida que temos antes da morte e exprime tudo o que é de material na vida. O Akhirah refere-se à vida após a morte, ao paraíso ou ao inferno. É constantemente referido no Alcorão lembrando o Dia do Julgamento (o Qiyamah).

 

A pergunta é: O que devemos priveligiar? O Dunya? O Akhirah? A vida que terminará e na qual não deixaremos nada e partiremos sem levar coisa alguma? Ou a vida após a morte, a vida eterna que irá ser valorizada pelas acções que fazêmos aqui no Dunya?

 

 

Devemos trabalhar para ficarmos ricos monetariamente ou para ficarmos ricos em Ilm (conhecimento religioso)? Devemos pecar e desvalorizar as orações (o Salah) visto que com isto eu não ficarei mais rico ou mais probre aqui no Dunya ou devemos preservar a nossa inegridade e não pecarmos e aumentar o nosso número de sawabs em termos de orações? Pois é isso que vai servir na nossa eterna vida após a morte e não a nossa riqueza monetária..

 

Pensem bem, decidam agora antes que seja tarde de mais...

 

Salams

 


01
Jun 08

Salams. Todos nós muçulmanos actualmente temos o Quran TV e muitas vezes passa a publicidade da Sahulaat Bazzar, a anunciar este ou aquele producto, mostrando apenas um excerto do áudio, já que se trata de espaço publicitário. Agora, com a globalização e com a evolução tecnológica todos nós podemos comprar estes CD's, DVD's via internet, e o custo fica sempre inferior a 10, 20 euros. Portanto, não se esqueçam de ir ver outras colecções aqui. Nota para o facto de não haverem custos alfandegários, já que não é dos Estados Unidos ou de fora de União Europeia, mas sim do Reino Unido.

 

Deixo, de todo o modo, um Naat desses que passa no QTV para ouvirem. Qualquer tipo de download é proibido.

 

Salams

 

 

 

 

Créditos Áudio

Créditos Imagem


14
Mai 08
Hazrat Ibn Abbaas (RA) conta  que Rasulullah (Sallaho Alaihe Wassallam) disse olhando para Mackhah:

"Mas que fantástica cidade Tu és e como eu Tem amo. Que a minha gente não me force a sair de ti, Eu nunca conseguiria fixar-me em qualquer outra cidade excepto em Ti".

(Tirmidhi)

Como resultado deste e doutros Hadiths, a maioria dos Ulamas acreditam que Mackah é a mais virtuosa de todas as cidades, e estar lá permanentemente ou até temporariamente é mais virtuoso ainda. Quem não gostaria de viver lá, sabendo que um Salaat é recompensado 100 vezes mais? Apesar de tudo isto muitos dos Santos muçulmanos não defenderam residência em Makkah (mais do que o necessário).

Hazrat Mullah Ali Qari (RA) escreveu que de acordo com Hazrat Imaam Muhammad (RA) e Hazrat Imaam Abu Yousuf (RA) é Mustahab (recomendado) aceitar residência permanente em Mackah. Este também é o fatwa dos Hanafis, e coincide com os decretos de alguns imams Shaafie e Hambali. Contudo Hazrat Imaam Abu Hanifa (RA) e Hazrat Imaam Maalik (RA) consideram a residência em Mackah Makroobh (não recomendável). Esta perspectiva é apoiada por aqueles que tinham uma atitude calma  e grande sabedoria, temendo que vivendo em Mackah podia tornar-se cansativo, perdendo-se a dignidade e honra de Mackah e da peregrinação. Isto levaria à indiferença que conduziria ao pecado. Tal como as boas acções são tornadas fantásticas em termos de sawab, o mesmo acontece com as más acções.

Para aqueles que são sinceros, que evitam pecar, não existe melhor sítio na terra para se viver que Mackah. Infelizmente esses existem em pouco número nos dias de hoje. São tão poucos como os Reis entre os homens. Muitos são aqueles que reivindicam estar aptos para a dignidade e honra que Mackah requere. É muito fácil falar mas é difícial cumprir.

Mullah Ali Qari diz que ‘Hazrat Imaam Abu Hanifa (RA) não gostava da residência permanente em Mackah, tendo em consideração a condição religiosa da população naquele tempo. Logo, se ele estivesse vivo hoje, teria considerado viver em Mackah totalmente Haram.  Este Mulla Ali Qari é um dos grandes Ulamas do Islão e faleceu no ano 1014 de Hégira. Ele escreveu aquilo acima sobre o seu tempo e nós agora estamos já no 15º século depois de Hégira. Vejamos como as condições se detrioraram não precisando sequer de um comentário. Está à vista de todos, não podemos negar. Mas então...que diria ele hoje?

Hazrat Imaam Ghazali (RA) explica que existem três razões pelas quais alguns Ulamas chamam Makroobh viver permanentemente em Mackah:

1. Eles teme que o excesso de contacto e familiaridade, esse grande desejo,  entusiasmo e zelo por Kabah vais descer ( e a familiariade pode passar a desprezo).

2. Eles temem que a triste altura de se despedir do Kabah e o zelo por um retorno desaparecerá. Por isso alguns "mais superiores" dizem que é muito melhor ansiar um retorno a Mackah estando noutra cidade, até a mais longínqua do mundo, do que viver em Mackah.

3. Eles temem que pecados sejam cometidos,  o que é um grande pecado chamar pela fúria de Allah Subahanah wa Taala. É um facto que Mackha é uma cidade abençoada. Toda a pedra e toda a areia é abençoada.
 
Nós já mencionámos esses espaços de bençãoes especiais. Agora, existem alguns mais ainda que devem ter a nossa atenção:
 
1. Primeiramente existe um espaço que costumava ser a casa de Hazrat Khadija (RA); e onde Hazrat Fatima Zahraa (RA) nasceu; e onde todos os filhos do nosso Rassul (Sallalaho Aleihe wa Salam) nasceram excepto Hazrat Ibrahim A.S. Os Ulamas são da opinião de que depois da Sagrada Mesquita, este espaço é o mais virtuoso em Mackah.
 
2. Depois vem o lugar conhecido como Mowlidun Nabi, onde o nosso Rassul (Salallaho Aleihe wa Salam) nasceu.
 
3. As casas de Hazrat Abu Bakr (RA) conhecidas como Darul hijrat de onde a viajem até Madinah teve lugar. Antes de Hijrat, O nosso Rassul (Sallalaho Aleihe wa Salam) costumava cá vir quase todos os dias. Haviam duas pedras aí, uma chamada "Mutakallim", que fazia Salaam ao profeta e outra chamada "Muttaka", que era onde o nosso Profeta costumava-se sentar.
 
4. O Mowlid Ali. Onde Hazrat Ali (RA) nasceu.
 
5. Dar-e-Arqam, também conhecido como Dar-e-Kharasaan, a casa onde o Hazrat Umar (RA), aceitou o Islão. Foi aqui que o seguinte verso do Alcorão foi revelado: "Ó Muhammad, Allah é suficiente para Ti; e para aqueles que seguem-te entre os que acreditam na mensagem". Esta é a casa onde Rassululah (Salalaho aleihe wa Salam) costumava aconselhar-se a si mesmo nos primeiros dias do Islam.
 
6. A caverna de thowr, onde Rasululah (salalahu Alihe Wasalam) e Hazrat Abu Bakr (RA) ficaram durante a viagem para Madinah. Esta foi a caverna onde o verso chamando a Hazrat Abu Bakr (RA) o "segundo de dois" companheiros.
 
7. Caverna de Hira no Monte de Noor(Jabal an Noor) onde antes o Profeta desceu aí. Ele costumava passar lá dias e dias em completa solidão até que o primeiro verso do Alcorão foi revelado. Ele ficou então Profeta.
 
8. Masjidur Raya, perto de Mackah, onde Rassululah (Sallahu Aleihe WaSalam), costumava rezar.
 
9. Masjidul Jinn, o espaço onde os Jinns costumavam ouvir uma leitura pelo nosso Rassul. uma vez, Ele levou Hazrat Abdullah bin Mas'ood (RA) consigo para ir ter com eles. Deixou-o longe  deles e o Profeta (salalaho aleihe wa salam) explicou aos Jinns como deviam proceder neste caso. Então, Hazrat Abdullah leu o Quran para eles.
 
10. Masjidul shajarah, o que é o oposto de Maskid Jinn, sendo a mesquita onde ali cresceu uma árvore. Rassululah (Salalaho Aleihe WaSalam) chamou uma vez para que que a árvore viesse ter consigo pelo solo, e ela veio, então, ele mandou-a de volta para o mesmo lugar.
 
11. Masjid Ghanam, também conhecida como Masjud Ijaabah, onde depois de conquistar Mackah, Rassululah (Salalaho Aleihe wasalam) proferiu o juramento de submissão.
 
12. Masjid-e-Ajyaad
 
13. Masjid do Monte Abu Qubays. Esta mesquita pode ser vista desde a mesquita de Mackah. A história de comer caldo de carne de cabra neste lugar está incorrecta.
 
14. Masjid-e-Tuwaa, que é onde o profeta ficava e descansava depois de vir do Hajj ou Umrah.
 
15. Masjid-e-Aisha, onde as pessoas põem o Hiram, para se proceder ao Umrah em Mackah.
 
16. Masjid Aqba
 
17. Masjid Ju'raana, o lugar onde Rassululah (Salalahu Aleihe WaSalam) pôs o seu Hiram, para o Umrah depois de ter vindo de Ta'if, conquistando Mackah.
 
18. Masjid Kabsh. É o sítio onde Hazrat Ibrahim tentou sacrificar o seu único filho Hazrat Ismail.
 
19. Masjid Khaif, a famoso mesquita de Mina.
 
20. A carverna de MurSalaar, onde o surah Al-Mursalaat foi revelado ao nosso Rassul (Salallaho Aleihe Wa Salam). Não é longe de Masjiul Khaif.
 
21. Jannatul Mu'Iaa. As virtudes deste espaço são explicados em vários hadices
 
Para além destes existem muitos outros sítios de bençãos e grande sentido espiritual. E qual é o espaço em Mackah que não é abençoado pelos pés do nosso Profeta Muhammad (Salalaho Alihe Wasalam)?
 
[comentário de  Hadhrat Shaikhul Hadith Zakariyya de 'Fazail-e-Hajj']
 
Adaptado:
http://truelife200vi.wordpress.com/2008/05/01/permanent-residence-in-makkah-mukarramah/
 

 

 

 

 


06
Mai 08
Salams.

Eu não compensei este fim-de-semana todo o trabalho de posts que devia ter feito, mas a razão é simples e cruél, estou "atolado" de exames pela frente e a possibilidade de criar um post com conteúdo tem sido difícil. Mas isso não quer dizer que que estarei ausente do site, muito pelo contrário, tenho a certeza que acabarei por ter uma certa vontade de cá vir para escrever sobre Esta Magnífica Religião que é o nosso Islão.

Deixando esses assuntos à parte, soube-se que o repórter Sudanês da Al-Jazeera foi libertado esta semana. Aliás o próprio cana tem focado este assunto muito nos últimos tempos e agora com a libertação, por assim dizer, não se fala noutra coisa.

Eu acho que se devia fazer o contrário? Foi libertado e cala-se? Não, definitivamente não. Existe um longo processo a partir de agora de tentar apurar ainda melhor o que se passa em Guantanamo, com cada vez mais pessoas inocentes a serem libertadas.

À poucos dias, passou na Sic Notícias um programa, não me recordo se era o "Toda a Verdade" ou o "60 minutos", em que havia um convertido ao islão que foi de viagem ao Paquistão para aprofundar os seus estudos. O facto é que quando estava a ir embora desse país, e pelos polícias terem notado que "havia um estrangeiro integrado em paquistaneses", rapidamente prenderam-no e aquele foi enviado para o Afeganistão, misturado com possíveis terroristas talibãs e foi enviado para Guantanamo. Praticamente só 7 anos depois foi libertado. Perdeu toda uma vida, perdeu a mulher que entretanto casou-se e muito mais.

Guantanamo = Justiça????

Voltando ao assunto temático, Sami Al-Hajj denuncia as condições "extremamente difíceis" e os insultos ao Islão naquela prisão.

"Havia várias violações. Éramos privados de rezar e havia (...) insultos deliberados contra o Livro Santo (Corão)", declarou à Al-Jazeera Sami al-Haj, no Hospital de Cartum.

Haj chegou a Cartum num avião militar norte-americano, juntamente com outros ex-prisioneiros sudaneses em Guantanamo.

Há sete anos que estava preso, pelo que não conhecia, até agora, o filho, da mesma idade.

Capturado em Dezembro de 2001 na fronteira afegã pelos militares paquistaneses, Sami al-Haj foi detido em Guantanamo.

Nunca foi, porém, condenado, pelo que várias organizações de defesa dos diretios do Homem se mobilizaram contra o caso.

"Temos o direito de verter lágrimas de alegria depois desses difíceis anos de humilhação, perseguição e injustiça que vivemos sem nehuma razão, excepto por acreditarmos no Senhor Todo Poderoso", declarou.

Interrogado pela Agência France Press, o irmão do repórter de imagem comentou:
"Não acreditamos que seja a mesma pessoa. Tem 30 e tal anos e parece ter 90. Exigimos às organizações humanitárias que enviem uma equipa de especialistas dignos de confiança de Cartum para que procedam aos exames e análises necessários".

Fonte da Notícia

02
Mai 08
Muitos de nós não sabem a importância do Duá, da Súplica a Allah, dos pedidos que nós fazê-mos ao Profeta para ele os levar a Allah e conseguir a sua acecção. Quem é que não tem problemas? Quem é que tem tudo? Quem não tem desejos? Para consigo mesmo, para com os filhos, para com os mais? Quem não tem isso? Quem é que não precisa da misericórdia de Allah, o Todo o Poderoso?

Todos os Muçulmanos devem pedir a Allah, com uma força e intenção que supere tudo e todos, para que Ele nos oiça e aceite os nossos pedidos.
Nós na vida, a poucas pessoas podemos pedir alguma coisa. A ganância rege este mundo e muito dificilmente alguém terá compaixão suficiente para nos ajudar em qualquer coisa que seja. Nesses casos, Allah está sempre livre, Allah está sempre disposto a nos ajudar.

Deixo aqui um Duá por Hadhrat Mufti Nizamuddin Shamsai (Rahimullah)


"Ó Allah! Perdoa os nossos pecados. Ya Allah! Perdoa os nossos passos em falso. Ó Allah! Nós somos merecedores de culpa, nós somos transgressores, nós somos culpados, passámos toda a nossa vida em obediência aos nossos desejos. Ó Senhor que és piedoso!
Colocando este "dunya" à nossa frente, nós fomos na verdade afectados por ele e fomos tragados pelo seu Yaqeen e tornámo-nos pesquisadores dele e perdemos e desperdiçámos todas as nossas habilidades nele. Ó Allah! Perdoa esta horrenda transgressão de recaída nos nossos esforços, esta transgressão horrenda na qual centenas de ofensas aí estiveram e onde centenas de bens interiores, aqueles que nos são mais preciosos, foram roubados. Ó Senhor! A mudança deste esforço, esta é a nossa abominável transgressão, perdoa a todo este povo (O Ummah do profeta S.A.W) esta transgressão, deixando o esforço e a luta que Muhammad (Sallallahu Alayhi Wasallam) fez por nós em vão. Fazer de conta que esse esforço não existiu é o nosso maior crime, esquecer tudo isso e ainda por cima cometer este tipo de actos é o mesmo que fazer de conta que o esforço e os combates do nosso profeta não existiram. Ó Allah perdoa-nos todas as transgressões e esquecimentos à Tua obra, perdoa-nos cada um dos nossos pecados e cada um dos nosso enganos.

Ó Allah! Perdoa os nossos pecados que estão na linha da afluência e os nossos pecados que estão na linha do gasto, bem como aqueles que estão relacionados com matérias sociais. Ó Allah, em todas as linhas nós estamos como que afogados num oceano de pecados. Ó Allah! Não temos forma de sair disto, como é que um afogado consegue sair do mar por sim próprio? Só aquele que não está afogado é que o pode retirar. Ó Allah! nós estamos todos afogados e Tu és o único, És aquele que não o está e És o único que nos pode retirar. Ó Allah! Tira-nos destes rios de pecados, leva-nos e encaminha-nos na senda recta, pela Tua misericórdia. Ó Misericordioso! Tira-nos do rio dos da desobediência através da Tua misericórdia. Ó Allah! Pela Tua misericórdia ajuda-nos e leva-nos para a "estrada da obediência".

Ó Allah! Acompanha-nos ao cume das montanhas dos sacrifícios. Ó Allah! Aceita-nos peolo esforço do "deen", aceita-nos a todos pelo esforço do "Deen", pelo esforço no Ilm, pelo esforço no Iman, pelo esforço no Ibaadah, pelo esforço no Zikr, pelo esforço no Akhlaq, pelo esforço do Hajj, do Jejum, pelo esforço no zakat, concede-nos a nós o completo Tawfiq e esforço de trazer todas estas obrigações e adorações de volta aos caminhos de Muhammad (salalaho Aleihe wa Salam) no seu tempo. Ó Allah, Ó Allah, retira-nos também todos os pecados em todos os aspectos na nossa vida. Ó Allah! Guarda somente aquelas acções em matérias sociais.
(...)"

(Swan Yusufi: 377-387)

Fonte do Duá:

http://truelife200vi.wordpress.com/2008/01/02/a-dua-of-hadhrat-maulana-yusuf-kandhalvi/

Salams. Islamnet.eu






28
Abr 08
Salams. Eu não estive presente no "Estima", encontro religioso, por motivos pessoais, mas tenho ido nos anos passados e é uma boa altura de reunir todos os muçulmanos e conhecer mais e perceber mais a religião, o Islão.

Todavia, não me apercebi que havia um tão-grande aparato policial sobre este encontro, que se realiza desde que cá vivo em Portugal. Tentamos simplesmente entender a preocupação, e neste caso, nada melhor que ignorarmos a situação e simplesmente aproveitar estes 3 dias para aumentar o nosso Ilm, Conhecimento Religioso. Digo, que só referi isto, pois os Media, só se preocuparam com isso e em nada sobre o que o assunto tratava.

Este é um encontro organizado pelo Tabligh Jamath de Portugal, mas sendo que muitos Sunnis (como eu) costumam ir a esses encontros, já que não é normal abordar-se assuntos que levem a um Tabligh vs Sunnismo , muito pelo contrário, previligia-se a união. ;)


Coloco aqui alguns estratos da notícia do DN Online:

"O encontro internacional do Tabligh Jamaat na mesquita Central de Lisboa, no qual participaram mais de mil muçulmanos, terminou ontem sem registo de quaisquer incidentes, informou Esmael Loonat, responsável em Portugal deste movimento religioso muçulmano.

Esmael Loonat declarou que o encontro, que juntou mais de mil muçulmanos oriundos de diversas zonas de Portugal, foi "uma reflexão de aproximação ao Criador

O encontro que era aberto a qualquer muçulmano, começou na sexta--feira e terminou ontem, tendo contado com a participação de responsáveis desta "missionação religiosa" do Bangladesh, Índia e Paquistão, referiu ainda Esmael Loonat. ".
(...)
Esmael Loonat afirmou que o encontro, que não foi o primeiro no País, decorreu pacificamente, defendendo que os "muçulmanos que residem em Portugal estão completamente integrados na sociedade portuguesa".

Segundo Esmael Loonat, o ob-jectivo do Tabligh Jamaat é "tentar desenvolver o vínculo de aproximação dos muçulmanos ao Criador para que este se torne contínuo e constante através dos valores da fé, oração, caridade, jejum e a peregrinação a Meca".

"Paralelamente, os muçulmanos devem ter uma vida condigna num âmbito profissional, social e pessoal", acrescentou. "
(...)
O movimento Tabligh Davah (que significa grupo que propaga a fé) foi fundado em 1920 na província de Mewat, na Índia, por Maulana Muhammad. Os tablighis são uma espécie de missionários que divulgam os princípios da fé aos muçulmanos.

Em Portugal, o movimento está presente desde 1979, disse Esmael Loonat.

Cerca de 95% dos membros da comunidade muçulmana residentes actualmente em Portugal chegaram nos anos 70 ao País e eram oriundos das ex-colónias de Moçambique e da Guiné-Bissau, explicou uma fonte da comunidade.

Esmael Loonat adiantou ainda que o Tabligh tem como objectivo relembrar a prática do Islão e que reuniões entre os membros desta comunidade "são comuns, tanto na Europa como em Portugal".

Salams
islamnet.eu


25
Abr 08
Salams.

Para completar as restantes fotos e artigos que aqui tenho colocado, vou adicionar mais algumas com o Dubai antes/Dubai Depois e com os projectos do futuro do Dubai.






















09
Abr 08
Salams. Nós muçulmanos temos que cumprir a Shariah e como tal sempre que encontramos algum muçulmano devê-mos dizer Assalamo Aleikum. Nos meus posts escrevo sempre Salams, mas o significado é o mesmo, mas digo Salams pois é uma forma mais no plural para se cumprimetar a todos. Como vêm, esta é das coisas mais interessantes na religião islâmica, pois mesmo que não conheçamos uma determinada pessoa e desde que ela seja muçulmana, temos a obrigação de cumprimentar com um Assalamo Aleikum. Acaba-se por perceber quem é e que não é muçulmano devido aos trajes de cada pessoa. Mas imaginemos que ficamos na dúvida se aquela pessoa é Muçulmana ou não, então devemos cumprimentar com um Assalamo Aleikum, nem mais baixo, nem mais alto, no mesmo tom de vós. E se essa pessoa não for por acaso muçulmana e não responder, não devemos ficar com vergonha perante ela, pois a grande "vergonha" seria não cumprimentar uma pessoa que à partida fosse muçulmana.

No caso de cumprimentarmos uma pessoa que é muçulmana mas que não reponde ao Salam, devemos repetir o Salam. Se à segunda vez essa pessoa não responder, não devemos perguntar uma terceira vez pois já é pecado para aquela.

Segundo a Sharia, existe um grande Sawab em cumprimentar-se não só dizendo Assalamo Aleikum, mas acrescentanto outra parte, ficando Assalamo Aleikum wa Rehamtulahi wa Barakhatu. Deste modo a outra pessoa deve responder, Wa Aleikum Salam wa Rehamatulahi wa Barakhatu.

Para além disso, é Sunnah (pois o nosso profeta o fazia), cumprimentar com as duas mãos e não só coma direita. Atenção que é Sunnah e que não é obrigatório.

Porém quando nos despedimos, nós muçulmanos temos hábito de dizer Khudah Hafiz. Mas, segundo o nosso irmão do blog em inglês, At-Tazkirah, que enunciou um Hadice, dizer Khuda Hafiz, é incorrecto pois não se cumpre a regra da Shariah.

O hadice enunciado é o seguinte:

Hakeemul Ummat Hadhrat Maulana Muhammad Ashraf Ali Thanvi (qudduhus sirruhu) menciona:


Na altura de despedida algumas pessos ao invés de dizerem "Assalamo Aleikum" dizem somente "Khuda Hafiz". Contudo isto é uma mudança na Shariah, o que é um grande pecado. Até mesmo o hábito de se dizer Khuda Hafiz depois do Salam é proibido"
(Ahsaanul Fatawa, vol. 1 pg. 385)

[Retirado de "Aghlatul-Awaam (Awaam ki Ghalat Masa'il)"]

http://truelife200vi.wordpress.com/2008/04/09/khuda-hafiz/

Deste modo, despeço-me com um Assalamo Aleikum.

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.


Free chat widget @ ShoutMix
pesquisar
 
blogs SAPO