09
Jan 07
Salams. Hoje quer apresentar a segunda parte do filme a mensagem do Islão. como já perceberam eu não vou pôr aqui o filme inteiro, pois estaria a infringir os direitos de aoutor, mas se quiserem, como é óbvio o filme está no YouTube.
Tenho a informação que o nosso outro membro do blog já voltou da sua viagem, e que já estamos à espera dos seus posts.



Transportava 35 pessoas e pelo menos 30 morreram




Um avião proveniente da Turquia despenhou-se perto de Balad, a Norte de Bagdade, provocando a morte de 30 dos 35 ocupantes, anunciaram várias fontes.

 "Um avião civil despenhou-se perto de Balad", a 70 quilómetros de Bagdade, disse o porta-voz do Ministério dos Transportes iraquianos, Ahmed al-Mussaui. A cidade de Balad, na província de Salahaddine, fica muito próxima do Campo Anaconda, a mais importante base do exército norte-americano no Iraque. "Ignoramos as razões da queda. Está em curso uma investigação", acrescentou o porta-voz.

Segundo um diplomata turco, que falou em Ancara a coberto de anonimato, trata-se de um avião moldavo, proveniente da Turquia e com 35 pessoas a bordo. "Trinta pessoas morreram e duas ficaram feridas", adiantou esta fonte.

O governador de Adana, Cahit Kiraç, indicou que "29 passageiros são turcos e o outro é um norte-americano", em declarações à cadeia de televisão CNN-Turk. A tripulação era constituída por três moldavos, um ucraniano e um russo.

Segundo o governador, o aeroporto de Balad estava coberto por uma espessa bruma na altura em que o Antonov 26 se despenhou, antes de se incendiar.

Segundo a agência noticiosa Anatólia, os passageiros eram funcionários da empresa turca Kulak, que tem sede em Adana. Entre os mortos está o presidente adjunto desta empresa de construção, Ismail Kulak.

Jornal de Notícias

08
Jan 07
Salams,
Esta é uma compilação de 3 filmes, retirados "da mensagem", um filme muito interessante.



O Primeiro-ministro Britânico considerou a forma como o ex-ditador iraquiano foi executado "totalmente errada"


O primeiro-ministro britânico juntou-se hoje às críticas quanto à forma como o ex-ditador iraquiano Saddam Hussein foi executado, no mesmo dia em que a execução foi igualmente condenada pelo provável sucessor de Tony Blair, Gordon Brown. Através do seu porta-voz, Blair considerou "totalmente errada" a forma como Saddam foi executado, a 30 de Dezembro.

A execução foi filmada via telemóvel e na gravação, divulgada na Internet, ouviam-se insultos de algumas testemunhas ao ex-ditador, momentos antes de ser enforcado. Blair, que foi duramente criticado por ter mantido o silêncio até agora , reagiu no mesmo dia em que o seu provável sucessor no cargo e actual ministro das Finanças condenou, numa entrevista à BBC, a forma "deplorável" e "totalmente inaceitável" como Saddam foi executado. "Mesmo as pessoas que, contrariamente a mim, são favoráveis à pena capital consideraram isto totalmente inaceitável. Estou satisfeito por ter sido aberto um inquérito (pelas autoridades iraquianas) e espero que sejam tiradas ilações nesse domínio", afirmou Brown. Antes de Brown, também o vice-primeiro-ministro John Prescott qualificou a execução de "deplorável". Lusa/diário de notícias funchal
Data: 07-01-2007

05
Jan 07
Salams, aqui está a terceira e última parte do tema, milagres do islão. com o nome de Allah escrito num peixe.



Um menino de 10 anos da Guatemala morreu enforcado em Houston, no Estado do Texas, quando aparentemente imitava a execução do ex-ditador iraquiano Saddam Hussein, noticiou quinta-feira o jornal norte-americano The Houston Chronicle.

O porta-voz da polícia do condado de Webster, Tom Claunch, revelou ao diário, citando a mãe do menor, que a criança, cujo corpo foi encontrado domingo passado, tinha visto, no sábado, as notícias sobre a execução de Saddam Hussein antes de se enforcar.

De acordo com um psicólogo, Edward Bischof, o menino possivelmente quis «imitar» um comportamento transmitido pela televisão que lhe pareceu interessante e emocionante.

«Creio que, talvez, esta criança tenha feito algo que lhe pareceu divertido sem ter a maturidade emocional e psicológica para pensar no que fazia», sustentou.

Diário Digital / Lusa

05-01-2007 6:45:00


04
Jan 07
Salams, apresento-vos este vídeo que mostra o nome de Allah escrito na terra.


Numa entrevista à CNN, o conselheiro iraquiano para a Segurança rejeitou as críticas provocadas pela gravação pirata da execução de Saddam Hussein. O responsável afirmou que o ex-presidente não foi humilhado, mas admitiu a existência de erros durante a execução.

«Onde estava a humilhação? Nos gritos dos presentes? O que eles fizeram foi essencialmente rezar e suplicar por ele», disse Mowaffak al-Rubaie, conselheiro iraquiano para a Segurança, em entrevista à CNN.

Condenado à pena de morte a 5 de Novembro por «crimes contra a Humanidade», Saddam Hussein foi enforcado sábado de madrugada numa caserna em Bagdad.

A execução do ex-presidente iraquiano provocou uma onda de indignação e poderá alargar ainda mais o fosso entre as comunidades sunita e xiita, sobretudo depois da divulgação, na Internet, de um vídeo pirata do enforcamento de Hussein.

As imagens, tiradas com a câmara de um telemóvel, mostram a execução em todos os pormenores e revelam que alguns dos participantes gritaram o nome do líder radical xiita Moqtada Sadr.

Outros dos presentes invectivaram Saddam nos últimos instantes de vida, ouvindo-se gritos de vingança logo após a morte do ex- ditador.

As autoridades iraquianas divulgaram no próprio dia um vídeo oficial da execução - alguns segundos de imagem, sem som, mostrando os últimos momentos de Saddam - mas, no domingo, foi colocado na Internet um vídeo pirata de mais de dois minutos em que se mostra o enforcamento até ao fim.

Este vídeo completo da execução, transmitido primeiro pela televisão árabe por satélite Al-Jazira e depois por vários canais estrangeiros, suscitou protestos entre a minoria sunita iraquiana e a indignação de dirigentes de todo o mundo.

Terça-feira, o governo iraquiano anunciara ter aberto um inquérito para determinar quem fez a gravação, aparentemente com um telemóvel, e quem a difundiu, tendo anunciado quarta-feira a detenção de um dos guardas presentes no enforcamento.

«Alguns espectadores mencionaram o nome de Moqtada. E ele (Saddam) respondeu-lhes. Não vejo onde está a humilhação», comentou Mowaffak al-Rubaie.

«Moqtada, Moqtada, Moqtada» não é um insulto, não é uma palavra obscena, eles não o estavam a insultar. Sei que não é legal e que foi um erro, mas foi a crença deles», justificou.

«Quando deixei a sala estava seguro de que tudo o que tinha acontecido tinha sido de acordo com as regras. Mas com o vídeo, vi que foram cometidos erros e isso tem de ser levado em conta. Temos de agir neste caso», acrescentou o responsável iraquiano.

Interrogado sobre uma dança efectuada por alguns dos presentes na sala, em torno do corpo de Saddam, Mowaffak al-Rubaie disse ter pensado que seria uma tradição dos iraquianos.

«Eles dançam em volta do corpo e manifestam os seus sentimentos. Onde é que está o problema?», perguntou.

Mowaffak al-Rubaie disse ter visto vários telemóveis empunhados por alguns dos presentes mas desmentiu ter um com ele nessa altura, como já foi aventado por várias entidades.

Explicou que o governo tinha decidido divulgar um vídeo oficial da execução para mostrar ao mundo que a pensa de morte tinha sido cumprida e para evitar especulações.

Lusa/SOL

 

03
Jan 07
Salams. Vejam este vídeo, é a primeira parte de uma série de milagres relaccionados com o islão e com o nome de Allah.

A Eritréia acusou ontem os EUA de estar por trás da guerra na Somália, alardeando as suspeitas ventiladas por diplomatas que acreditam que Washington terá dado aprovação tácita à Etiópia para fornecer as tropas que permitiram o regresso do Governo somali a Mogadíscio, após a expulsão, pelas armas, dos muçulmanos da União dos Tribunais Islâmicos (UTI) que controlavam a capital. Washington acusou a Eritréia de fornecer armas e homens à UTI, o que o governo de Asmará negou. "Esta guerra é entre os americanos e o povo somali", disse o ministro da Informação da Eritréia, Ali Abdu, à Reuters. "Forças externas estão a tentar impor a sua influência sobre o povo somali... A questão é o interesse geopolítico das superpotências versus a escolha dos somalis, que que é viver em paz e harmonia como nação soberana".



Precisamente para alcançar tal desiderato, o primeiro-ministro somali, Ali Mohamed Gedi, exigiu ontem o envio para o país, e "com a maior rapidez possível", de uma força de paz mandatada pela União Africana (UA) para repor a ordem, após a debandada das milícias da UTI das principais cidades do país. Segundo o governante, os últimos combatentes islâmicos abandonaram na manhã de ontem a segunda maior cidade do país, Kismayo (a 500 quilómetros ao sul de Mogadíscio), após intensos combates travados anteontem. Na tarde de domingo, as forças somalis e etíopes também tomaram o controlo da cidade de Jilib, que constitui um ponto estratégico de acesso a Kismayo.

Ali Mohamed Gedi revelou ainda que começará hoje o desarmamento em Mogadíscio e avisou que todas as armas deverão ser entregues voluntariamente às autoridades num prazo de três dias, findo o qual será autorizado "recolher qualquer tipo de armamento pela força", disse citado pela AFP, precisando que a entrega de armas abrange também comerciantes e chefes tribais.

As tropas somalis e etíopes conseguiram, em dez dias, reconquistar todas as regiões controladas pelas forças da UTI após a tomada de Mogadíscio em Junho. Operações de captura de terroristas "estão em curso actualmente", e irão abranger toda a região e "especialmente o Quénia, onde estão a chegar", disse Ali Mohamed Gedi.

Elmano Madail
IBRAHIM ELMI / epa
Jornal de Notícias

Setembro 2008
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9
10
11
12
13

14
15
16
17
18
19
20

21
22
23
24
25
26
27

28
29
30


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
pesquisar
 
blogs SAPO