19
Jan 07

O jornalista turco de origem arménia Hrant Dink, várias vezes perseguido pela justiça de Ancara e alvo da fúria dos círculos nacionalistas, foi morto a tiro por desconhecidos numa rua de Istambul.

"Dispararam contra ele mesmo em frente à sede do jornal. Ele está morto", afirmou uma funcionária do "Agos", o semanário bilingue que Dink dirigia e que nos últimos anos se tornou numa das vozes mais influentes da comunidade arménia.

O jornalista esteve várias vezes envolvido em polémica nos últimos anos devido às afirmações que proferiu sobre o massacre de civis arménios levado a cabo pelo Império Otomano durante a I Guerra Mundial.

Para fúria dos nacionalistas turcos, o jornalista insistia em classificar o massacre como um genocídio (tal como fazem vários países europeus), uma posição que em 2005 lhe valeu a condenação em tribunal por "insulto à identidade turca".

Numa recente entrevista à AP, Dink lamentava o ódio que sentia da parte dos seus concidadãos e admitia sair do país, afirmando que não podia continuar numn sítio onde não era desejado.

Segundo as estações de televisão turcas, Dink estava a chegar à sede do jornal (na margem europeia do Bósforo) quando foi atingido por quatro disparos, dois dos quais na cabeça.

A estação NTV adianta que a polícia montou um esquema de segurança, procurando um homem de 18 ou 19 anos de idade que envergava um boné branco e calças de ganga.

19.01.2007 - 14h18

Público.pt


Mais

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.


Janeiro 2007
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1
2
3
4
5
6

7
8
9

16
18
20

21
22
23
24
25
27

28
30
31


Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
pesquisar
 
blogs SAPO